top of page

CYBERFUNK são os que subvertem e se apropriam dos sons impostos sobre seus ouvidos de forma a inventar novas formas de expressão em um terreno árido de possibilidades de voz. A falta se torna motor de criação de novos ritmos, novas agências, da formulação de outra relação com a tecnologia: um ethos gambiarra que vai além da mera resistência à precariedade para se tornar uma forma de se relacionar no mundo.

É sobre como os pretos de Trinidade e Tobago, confrontados com a proibição de tambores pelos colonizadores, começaram a percutir em ferro velho e inventam o steel drum. É sobre como os pretos da Jamaica, sem acesso aos bailes fechados, botam seu som na rua e inventam a cultura do soundsystem. É sobre como esses mesmo jamaicanos, quando migram para Nova York, se misturam com os pretos do Bronx, juntam dois toca-discos e um microfone, e inventam o som do hip hop.

É sobre como essa batida desembarca no Rio de Janeiro, onde os pretos daqui pegam um TR-808 obsoleto e misturam com os toques das religiões afro-brasileiras para inventar o funk carioca. É sobre a energia cair no meio do show e percutir apenas com a boca criando uma nova batida que ressoa até hoje na base dos bailes em 150 bpm.

O preto em diáspora procura nas brechas e no hackeamento construções de possibilidades de existência que ultrapassem a mera sobrevivência, emendando cabos até fazer o chão tremer: o grave nos une. É a diáspora em movimento. É o aterramento dos desterrados. Como podemos agora nos apropriar da tecnologia da blockchain para manter nossos ritmos soando em novos espaços e tecnologias, explorando as extensas possibilidades que a web3 oferece?

Fotos por Manoela Rodrigues

CYBERFUNK é uma coleção de 21 animações 1/1 feitas à mão inspirados na moda e na cultura da juventude preta carioca para criar personagens e cenários de um Rio de Janeiro futurista, com desdobramentos multimídia em moda e som.

O projeto se materializa no espaço físico e digital simultaneamente, com pontes que borram as fronteiras entre as duas formas de existir. Adesivos e vestimentas com realidade aumentada, o sincretismo técnlonogico da trilha sonora de AFRICANOISE, tudo converge em uma especulação prática de invenção e relacionamento com novas tecnologias.